28 de abril de 2009

Divirta-se no ensaio de hoje!



Sabe, às vezes eu acho que eu sou uma das poucas pessoas suficientemente loucas no mundo capaz de acordar um dia e sair caminhando, ouvindo música, sentindo o brilho do sol, depois entrar em um ônibus e ficar vendo as coisas passarem pela janela, e somente isso me fazer sentir a criatura mais feliz. Só o fato de viver, só o fato de saber que eu respiro e de me sentir livre pra fazer o que eu quiser. Talvez descer desse ônibus e começar a correr, parar, fechar os olhos e deixar o ar entrar em meus pulmões (embora nunca tenha tido coragem suficiente para fazer isso). Será que ninguém percebe quão lindo é ver o verde da grama refletido pelos raios de sol? Será que ninguém percebe que isso só acontece no período de chuva, e por isso é bom aproveitar agora por que esse verde só ressurgirá no ano que vem? E tudo isso é vida! Ninguém percebe? Será que ninguém vê o quanto ela é preciosa? E como é maravilhoso ter acordado hoje, e ter dormido antes disso?

Todos nós não fazemos outra coisa a não ser tentar nos mantermos vivos, falar de vida e viver de forma que em alguns momentos seja possível sentir uma pitada de felicidade e quando ela acaba, como se fosse uma droga, você não desiste e a busca novamente. Chorar então faz tão parte da vida quanto sorrir. É tão aliviante o secar de uma lágrima, por que assim você sente que já colocou a tristeza pra fora e agora pode erguer a cabeça e correr atrás daquilo que se quer.


E como é bom sentir vontade de dançar, não importando o quê ou como, mas simplesmente dançar e sentir o sangue correr em suas veias, o suor escorrer pela testa, a euforia começar a ti encher a partir do estômago até chegar à pontinha de cada dedo, sentindo a liberdade dos seus movimentos que são únicos como você e o vento tocando cada centímetro da sua pele.


Depois de tudo isso, pode vir a nostalgia, a saudade. Saudade do que você fez e do que você não fez. Vontade de sentir aquele momento de novo, sem mudar absolutamente nada, ou em outro mudar alguma coisa, mas querendo mesmo viver aquilo tudo de novo. Pena que não dá. Pena que até agora só fomos informados dessa vida. Pena que só uma vida é muito pouco pra viver tudo que se quer e tudo que se pode viver. Pois ela é cheia de fases, então você tem que se preocupar em escolher bem o que vai viver e aproveitar bem cada uma delas. Mas de repente quando você pára para ver já passou. Como num piscar de olhos, você já deu o seu primeiro beijo, já chegou em casa às seis da manhã, já matou aula, já caiu do muro, já dormiu fora de casa, já pulou no rio, já fugiu de um encontro, já prendeu o dedo na porta do carro, já ficou sozinho no cinema, já entrou na boate que não permite menores, já aprendeu a dirigir, já deu um tapa na cara de alguém, já se meteu em uma briga, já arranjou um emprego, já foi demitido, já encenou uma peça.


A gente pensa que dá pra tentar tudo de novo amanhã e que dá pra aprender com os erros que cometemos ontem. Mas a verdade é que não dá. Você só vai cometer erros novos hoje, diferentes dos de ontem. Então você descobre que amar é bom, embora ninguém saiba ao certo o que seja isso realmente. E que é preferível quebrar a cara de novo com um novo amor a ficar esperando a vida passar. A verdade, é que a vida é uma peça incessantemente ensaiada, mas que nunca será encenada. Então, pelo menos, divirta-se no ensaio de hoje!